terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Quero dar-te um amor




Quero dar-te um amor que te espante,
que tanto seja e tanto cante,
que surpreenda ao constatares
a aventura nunca vista;
e que só quando radicalmente o navegares,
eu em ti de fato exista.


Um amor que te comova,
te envolva o corpo e abrace a alma;
com toda calma desespere
a ausência tua,
a dor que fere, luminosa,
desejo antigo pela amada nua.


Dar-te um amor definitivo,
com nova história e antigas lendas;
que só com isto tu entendas
que somos um, realidade;
e que em nós, tudo é um ponto,
e que um ponto é eternidade.



__________________

Foto © Paulo Sallorenzo

O poema foi publicado anteriormente
na Revista Ilustrada (http://www.sallorenzo.com.br/)
de dezembro,onde o fotógrafo partilha conosco a sua fotografia,
verdadeira poesia visual. Sallorenzo anima também
um inspirador blog fotográfico, que você pode acessar em
http://sallorenzoluzimagem.blogspot.com


10 comentários:

  1. Lindo ! Do começo ao fim...
    Magnífico!

    ResponderExcluir
  2. Marco Antonio Coutinho7 de dezembro de 2011 07:13

    Vem do Coração... é por isto...
    Valeu, linda!

    Beijosssssss,
    Marco

    ResponderExcluir
  3. Toda mulher gostaria de ser amada desse jeito, arrebatador e, ao mesmo tempo, delicado.
    Seus versos não deixam nada a dever aos dos mais famosos poetas, porque você É um grande poeta. Apenas não é famoso, ainda...
    Concordo com Solange, quando ela os qualifica como "lindo" e "magnífico".
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Marco Antonio Coutinho11 de dezembro de 2011 12:21

    Obrigado, Lucinha. São vocês, mulheres, que fazem de nós poetas.
    Beijossssss
    Marco

    ResponderExcluir
  5. Que lindo Marco!!!!!
    Só a sua tocante sensibilidade seria mesmo capaz de estampar tanta beleza.
    bjs
    Soeli

    ResponderExcluir
  6. Marco Antonio Coutinho12 de dezembro de 2011 06:01

    A sensibilidade não é só do poeta, Soeli. Mas também de quem vive com ele a poesia.

    Que bom que você gostou!

    Beijosssss,
    Marco

    ResponderExcluir
  7. "Suspiro..." O poeta continua sendo alvo de desejos, cobiça. Obrigada por eu ler este poema no final da tarde, Marco.
    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Marco Antonio Coutinho14 de dezembro de 2011 17:15

    Quem sou eu, menina, quem sou eu...

    Mas... Teve um significado ou um peso diferente pra você no final da tarde, Daisy?

    ResponderExcluir
  9. Em um um ponto, tudo é eternidade.

    Matou, Chega desses comentarios cheios de iii ou tititi ou arrrrgh. Bando de chatos,

    matou a pau e pronto. fodam-se os chatos!

    ResponderExcluir