domingo, 24 de junho de 2012


Um caramanchão em Botafogo
 após a chuva






      Lábios carmim, carminhas nuas na noite,
        púbis art nouveau
       & beijo na boca da babá negra
        (lua obscura cantando a morte & o prazer).

        Vai alí o menino olhar o mistério menor da sala do piano
        & conhecer o subterrâneo dos universos de vidro

      — tempestade de merda no colégio de freiras —
      nú frontal de ratazanas atacando as aves,

      césares & marias de pernas ocultas aos frades
      & beleza amanhecendo.

      A casa dorme.

 _________________
Arte, Retrato de Moça, Gustav Klimt










4 comentários:

  1. Dá um pouco de medo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Marco Antonio Coutinho31 de agosto de 2012 12:10

    Isto é, talvez, porque ele vai fundo, num universo que possivelmente não lhe seja totalmente estranho...

    ResponderExcluir
  3. Roberto Gonçalves. "A casa dorme." Ando solitário pela casa, de quarto em quarto, a procura de ti com a lamparina acesa, enquanto tu dormes.

    ResponderExcluir
  4. É... poderia ser até a continuação do poema, não é verdade?
    Grande abraço,
    Marco

    ResponderExcluir