domingo, 29 de julho de 2012




&



___________



           Se na verdade veio do mar

                                                   o meu medo,

           que fique no mar o meu cadáver.

           E que tudo corresponda

          à tua presença

                                                        definitiva

          naquilo que for a consequência

                                                        de mim mesmo.




          Se sou merecedor destes olhos,

          que vez por outra

                                                        me espreitam

           por entre os movimentos,

           que eu nunca dê o que devo dar

            na mesma proporção e medida,

            mas na proporção e medida

            do meu apego

                                                     de homem desavisado.





            Agora que te olho e sou devorado,

            melhor não é devorar também

                                               e com a mesma fúria,

             mas ser furioso esperneando,

             e fraco a ponto de morrer de amor.



             Agora que te amo como amam os gatos

                                               (que não sorriem,

             mas ronronam alto

             o suficiente),

             apenas continuo a te amar

             como desde o dia em que,

             caçando ratos,

             fui surpreendido rondando um castelo.




             E se na verdade veio de você

                                               o meu castelo,

             que em você fiquem cravadas as minhas unhas.



______________________

Ilustração, Chat au Clair de Lune,
de Alexandre Steinlein






4 comentários:

  1. Viajei em cada palavra: magnífico!
    Bjus

    ResponderExcluir
  2. Tem de ser viagem para se viver mesmo o poema, minha bruxa dos olhos de jade.

    Valeu...

    Beijosssss

    ResponderExcluir
  3. Marco Antonio Coutinho11 de agosto de 2012 19:04

    Ao que devo tão pouco poética e tão empobrecida manifestação do vernáculo, ó corajoso anônimo?

    ResponderExcluir