quarta-feira, 29 de agosto de 2012


 
Vi de longe um coração sangrando

 

                   Vi de longe um coração sangrando,

                   arrancado à órbita natural

                   de expressão,

                   novo planeta evidente

                   exposto à curiosidade popular

                   & à presença dos cães vadios e famintos,

                   rimbombando vermelho protesto,

                   urgindo vida na via pública.

 

                   Apesar da distância,

                   pude ver o povo escandalizar-se

                   — alguma coisa borrifada nas golas dos homens

                   como irremediável beijo —

                   urucum na cara do povo,

                   escrevendo histórias,

                   posteridades.

 

                   Apressei o passo inutilmente,

                   a tempo de ver a noite chegar

                   (chamada talvez por um morador aflito

                                                             das vizinhanças)

                   & as sombras olharam-me por sobre os ombros

                   & negaram tudo.

 

 

___________________________

Ilustração de Rabel Daniel, dp

4 comentários:

  1. Uau....lindo, intenso e acima de tudo intrigante...é tudo o que vi, li e senti...!
    Besitos

    ResponderExcluir
  2. Marco Antonio Coutinho29 de agosto de 2012 12:49

    A mim ele também me intriga, minha bruxa...

    ResponderExcluir
  3. Expor-se ou não expor-se, eis a questão.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marco Antonio Coutinho29 de agosto de 2012 19:39

      O pior é que há momentos em que tudo é evidente e expõe-se por si mesmo, não é?

      Para acima e além da questão...

      Excluir